Cigarrinha-do-milho e o complexo de enfezamentos

4 minutos para ler

O milho possui importância estratégica na economia sendo a segunda maior cultura agrícola produzida no país. Segundo a Conab a estimativa de produção total para a safra 2020/2021 é de 102,3 milhões de toneladas, em uma área de 18.463,5 mil hectares. 

Atualmente a cigarrinha-do-milho tem se tornado foco de preocupação de toda a cadeia do cereal, com perdas que podem chegar a 100% da lavoura devido aos danos diretos e do complexo de enfezamentos transmitidos pela praga. 

A Cigarrinha-do-milho (Dalbulus maidis) é um inseto de cor branca-acinzentada com cerca de 0,5 cm de tamanho. É uma praga que transmite patógenos associados a três doenças, sendo um vírus e duas bactérias: virose da risca, enfezamento pálido, e enfezamento vermelho.
O enfezamento pálido e o enfezamento vermelho são doenças causadas pelas bactérias espiroplasma e fitoplasma, molicutes que se multiplicam nos tecidos vasculares do floema da planta. 

Para identificar os sintomas do enfezamento, é importante prestar atenção na fase reprodutiva da planta de milho, pois é aí que aparecem os indícios. Manchas cloróticas avermelhadas e/ou pálidas, espaçamento múltiplo, redução do volume radicular, redução de entrenós, perfilhamento, redução do porte das plantas, proliferação de espigas, espigas com menor desenvolvimento ou deformadas, grãos chochos, acamamento e morte prematura de plantas. 

Para conseguir um diagnóstico de qual patógeno infectou uma planta, é necessária a realização de uma análise molecular, em laboratório, para investigar a presença do patógeno. É preciso utilizar a técnica PCR, com o DNA extraído de amostras foliares, e visualização em aparelhagem especializada, para análise dos resultados. 

As práticas agrícolas na produção são determinantes para restringir ou favorecer a incidência de pragas e doenças. Siga essas informações técnicas para combater a cigarrinha da maneira certa, com um controle eficiente e utilizando soluções viáveis.

Embrapa – Enfezamento do milho aparece como problema nesta safra. Disponível em: . Acesso em: 9 de Fevereiro de 2021.

BOAS PRÁTICAS PARA O MANEJO DA CIGARRINHA E DOS ENFEZAMENTOS NO MILHO

  1. Mantenha as lavouras limpas (faça dessecação com herbicidas) e elimine com antecedência as plantas hospedeiras na área, nas margens de estradas, em lotes vagos e em canteiros;
  2.  Não semeie milho ao lado de lavouras com plantas adultas que apresentem sintomas de enfezamentos e/ou da virose da risca.
  3. Sincronize o período de semeadura do milho na região. A determinação de uma janela de 20-30 dias para semeadura evita que as lavouras da região tenham idades diferentes e as plantas mais velhas sirvam de fonte de inóculo para as plantas mais jovens;
  4. Escolha híbridos com maior tolerância genética aos enfezamentos. Utilize a ferramenta de posicionamento de híbridos (abertura e fechamento de plantio) para diversificar e minimizar o problema de acordo com a característica de cada material associado com o pico populacional da praga e risco com os enfezamentos.
  5.  Utilize sementes certificadas e tratadas profissionalmente com inseticidas, pois possuem qualidade superior e ajudam a controlar a população de cigarrinhas desde a germinação até o estabelecimento da lavoura de milho;
  6. Monitore a presença da cigarrinha-do-milho no início do desenvolvimento da lavoura.
  7. Use apenas inseticidas registrados para controle da cigarrinha, respeite a dose recomendada e rotacione os modos de ação dos inseticidas para evitar o desenvolvimento de resistência;
  8. Planeje a colheita e use máquinas bem reguladas para evitar perdas, não deixando grãos, espigas e fileiras remanescentes na lavoura;
  9.  Transporte o milho colhido em caminhões apropriados.
  10.  Faça rotação de cultivos, evite o plantio de milho sobre milho e o plantio de gramíneas na sequência.

A tecnologia, inovação e a força do agricultor são a base do agronegócio, a cada dia que passa novas propostas para um futuro melhor são lançadas. 

A ciência possibilitou inovações impressionantes nos últimos anos, e para minimizar os impactos causados pela cigarrinha, significando de maneira prática o aumento da produtividade escolha um híbrido com genética resistente, escolha pelos híbridos da Sempre Sementes.

Fonte: Embrapa – Guia de boas práticas para o manejo dos enfezamentos e da cigarrinha-do-milho Disponível em: Acesso em: 9 de Fevereiro de 2021.


Ficou com alguma dúvida? Precisa de mais informações?
Converse agora com um especialista


Sempre Sementes
Juntos a gente faz

Posts relacionados

Deixe um comentário