Como está o tamanho de partícula da silagem?

3 minutos para ler

Já abordamos em nossas postagens sobre a importância do tamanho de corte do milho para silagem e o quanto poderá impactar tanto a qualidade da silagem quanto a nível animal. Neste momento, é preciso colocar na balança alguns fatores como: compactação, fermentação, seleção de cocho, distúrbios metabólicos, descarregamento do silo e se a silagem é fornecida exclusivamente ou compõe parte de uma dieta total.


Se trabalharmos com tamanhos de partículas acima do preconizado, verificamos impactos negativos no que diz respeito a compactação e acomodação das partículas dentro do silo, o que acarreta maior porosidade entre elas, fazendo com que o oxigênio demore a ser consumido em sua totalidade para dar início ao processo de fermentação. Então, se têm mais espaços com oxigênio, o processo de fermentação será retardado. Além disso, quando fornecido no cocho, o animal poderá ter o estímulo de seleção de alimentos, detectando visíveis sobras de cocho, o que entra na conta das perdas na ensilagem (Foto 1).

Foto 1 – Sobra de cocho

Por outro lado, partículas pequenas podem ocasionar problemas vinculados ao processo de digestão, principalmente pelo desbalanço do pH ruminal e alta taxa de passagem dos alimentos pelo trato digestivo, causando distúrbios metabólicos (ex: acidose). E, neste sentido, cabe um ponto de atenção. Quando a silagem é fornecida de forma exclusiva ou apenas adicionado algum concentrado, devemos ser cuidadosos no ajuste de tamanho de partícula na colheita, pois precisamos assegurar um nível mínimo de fibra longa na dieta, que garanta uma boa digestão e aproveitamento dos alimentos, além de estabilidade no consumo e produção de leite.

Apesar de parecer distante pensarmos no desabastecimento do silo ainda na colheita, este ponto também deve ser avaliado. Hoje, temos equipamentos utilizados no desabastecimento e arraçoamento altamente eficientes e que podem gerar um atrito entre o equipamento (ex: vagão forrageiro) e as partículas de silagem no painel do silo, podendo fragmentálas ainda mais, por isso cuidado! Desta forma, todo o processo deve ser pensado em conjunto na colheita para que o produtor não se depare com situações menos preteridas quando o alimento estiver no cocho.

Avaliando silagens de milho em 22 fazendas, com auxílio do jogo de peneiras (Pennstate) (Foto 2), verificamos que a distribuição de partículas tem sido variável entre as propriedades. Nesta avaliação (Tabela 1), em média, observamos proporção acima do idealizado principalmente no fundo (partículas abaixo de 4 mm) e a peneira de 8 mm com valor no limite inferior do intervalo preconizado, o que nos traz mais um ponto de atenção sobre o processamento e tamanho de partícula da silagem.

Foto 2 – Avaliação de distribuição de partículas / tamanho de corte.

Tabela 1 – Distribuição de partículas médias de silagem de milho em 22 fazendas leiteiras.

Peneira Estratificação para Silagem de Milho Média de 22 fazendas

(% do total) (% do total)

19 mm 3 a 8 7,9

8 mm 45 a 65 45,7

4 mm 20 a 30 29,4

Fundo < 10 17

Nós, da Sempre Sementes, estamos lado a lado do produtor e preparados para dar suporte em todo processo de produção de silagem, capacitando parceiros, representantes e produtores para colocarmos no cocho silagem de alta qualidade. A nossa satisfação é que o produtor encontre em nós uma parceira que transforme os serviços prestados em maior produtividade e rentabilidade do seu negócio!

Cássia Aparecida Soares Freitas
Zootecnista
Sempre Sementes

Posts relacionados

Deixe um comentário