Potássio para a cultura do milho: o que o produtor precisa saber

2 minutos para ler

Segundo o engenheiro agrônomo e doutor em Agronomia, Cristiano Reschke Lajús, para saber quando as plantas de milho precisam de potássio é preciso realizar a análise de solo (coleta da solução do solo: camada superficial que representa a parte líquida do solo, onde são encontrados os nutrientes prontamente disponíveis para serem absorvidos pelas plantas). “A aplicação normalmente é feita no mesmo momento da semeadura. Porém, quando as quantidades excedem a 50kg/ha de K2O, recomenda-se parcelar a adubação, aplicando 1/3 na semeadura e o restante em cobertura.

Quando a aplicação total puder ser feita em somente uma aplicação, em alguns casos realiza-se a aplicação a lanço em área total, isso para dinamizar a operação de semeadura”, orienta o profissional. Uma das fontes mais comuns de potássio é o cloreto de potássio (KCI). Formas de aplicação do potássio em milho: Por fim, Dr. Lajús indica as duas principais formas que o potássio pode ser aplicado no cultivo. Aplicação por semeadura: o fertilizante aplicado na semeadura é aplicado em conjunto com a operação de semeadura, sendo depositado no solo pouco abaixo das sementes. Adubação a lanço: É possível parcelar as doses de fertilizantes potássicos que são aplicadas nas culturas ao longo do seu ciclo.

Posts relacionados

Deixe um comentário